sábado, 25 de setembro de 2010

Vontade

Deixe para lá
a vontade,
ela de nada sabe;
o que tivemos
é o futuro
do que temos.
Passa tudo.
Até a vontade.

Dedos passam
longe da rosa
para que sua textura
passe longe da
epidérmica memória
tal qual lápide futura.

Olhares sobressaem
tão coerentes
deveras são
na inerte lembrança
do não-sentido.

O pôr-do-sol
acena calmaria...
ruídos esparsos na
significância apreciada;
Suave é o anoitecer.

Do precipício
ao voo estratosférico,
soma pontos a favor
a terra flutuante
dos singelos prazeres;
nem alto nem baixo.
Lá, cá, tanto faz
apenas contemplo
a harmonia.


Raquel Abrantes

5 comentários:

  1. ... deu vontade de dizer o quanto gosto de te ler. Pronto; disse.

    Antes de me arrepender de não dizer o que tenho vontade; antes que a vontade saia do meu querer...

    Te adoro linda! To com saudade... falei em vc esse fim de semana... rsrsrsrs... bjs.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o novo visual do blog!! :) Parabéns, você voltou com força total.. :) Muitos beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Achava o outro visual, com a foto, mais bacana! Mas esse tá legal também!

    Seus textos são muito bem escritos e gostosos de se ler. Parabéns!

    beijo

    ResponderExcluir
  4. oi amei o seu texto, visite o meu blog de textos pessoais, obrigado.

    ResponderExcluir
  5. Lindo o novo visual do blog; lindo o antigo também...

    Bjs.

    ResponderExcluir