sábado, 18 de julho de 2009

Eu sempre quis

Sabia que as palavras me motivam mais que os números. Que a humanidade me interessa mais que os bichos. Que as questões sociais abrem mais brechas que as individuais.

Eu sempre quis. Primeiro, quis pigmentar o planeta com todas as cores que faltavam. Equilibrar os contrastes de luz em alguns países. Chamar a atenção das pessoas para os tons escuros, abafados pelos claros. Ou para os claros, em detrimento dos escuros.

Eu sempre quis. Quis iniciar a mudança na minha casa. Escalar o topo do meu mundo e fincar a bandeira da vida. Canalizei a paixão para a rapidez dos dedos no teclado e para a curiosidade sobre os não-costumes. Mas as paixões duram o sopro de sua tosse.

A pulsão partiu com todos os meus quereres na mala. E o mundo saiu do roteiro da minha viagem. A intensidade das emoções, última parada. Perdi o brilho das realizações. Esqueci de buscar. Deixei de querer.

Até que outras letras me olharam disponíveis. Seus propósitos eram maiores que os meus. Influenciavam positivamente a vida dos distraídos. E influenciaram a minha. Quis mais e mais dessas letras no meu alfabeto. Quis em várias línguas e dialetos. Quis todas as combinações feitas e imagináveis. Quis... quis.

Eu sempre quis. Sabia que as palavras me motivam mais que os números. Que a humanidade me interessa mais que os bichos. Que as questões sociais abrem mais brechas...


Raquel Abrantes

7 comentários:

  1. Lindo blog, Raquel. Difícil dizer qual o texto mais bonito...

    beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Perfeita definição Raquel... Contornos, cores e sons estão acetinados agora para meu olhar até então austero para certos aspectos.
    Fiquei fascinada com este post, não diferentemente de outros anteriores.
    Beijo.
    P.S.: "Mas as paixões duram o sopro de sua tosse". Belo!

    ResponderExcluir
  3. a menina inquieta das convicções dinâmicas. encantadora, como sempre.

    ResponderExcluir
  4. Livre, leve e solto. Muito sensivel!

    ResponderExcluir
  5. "Escalar o topo do mundo e fincar a bandeira da vida"... Menina prodigiosa! Através de extrema sensibilidade e maestria, brinca com as palavras, utilizando-se do sentido figurado para expressar, de forma "sui generis", suas razões, seus conceitos, suas verdades. Amei d+!!
    Bjsssss da Dinda.

    ResponderExcluir
  6. Me identifiquei de imediato com as idéias expostas, com uma cândura tão sincera, em seu texto tocante... Chega uma hora em que as inevitáveis questões saltitam em nossas mentes e, ao menos em minha opinião, é hora de prestar atenção ao recado... Lindo.. lindo...

    ResponderExcluir
  7. "Bem que se quis
    depois de tudo ainda ser feliz"
    Raquel, sua prosa poética é tão linda que deveria ser musicada. Em mim ela reverbera como música em minha alma. Que você sempre queira mais e mais destas letras em seu alfabeto.
    Bjs pela sua alma iluminada que ilumina aos que te leem.
    Carlos Eduardo

    ResponderExcluir