segunda-feira, 29 de setembro de 2014

batidas, freadas
movimentos errantes
além da rua
calçada adentro
atingem o passeio
de pessoas e bichos
em andar adquirido
que desviam ou não
saem ilesos ou não
na mão certa ou contra
apenas o vento a favor
demasiado leve
para o atrito
grito!


Raquel Abrantes

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

unha quebrou
entrou na carne
sangrou a porta
que bateu
Quem é?
quem não importa
travessia torta
de mau jeito
apreço próprio
apressado
desesperado
errou o foco
traiu o cenho
franziu o certo
olhou o teto
quase apagou
a luz da casa
onde caía;
vai e vem
volta e revolta
sem porquês
sem outra vez.


Raquel Abrantes

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Os passados
revertidos em hoje
simulam janelas;
tarde reestruturada,
luz intrínseca

a hora, o instante
desencontram-se
isentos
de águas antes
transcorridas

~~~~~~~~~~

moléculas pululantes
sem propagação.


Raquel Abrantes