domingo, 27 de maio de 2012

Sonoros passos

Sonoros passos
me seguem pela casa
até o canto escondido
do sentimento
Sonoros passos
a cada pegada
foram comigo
através do tempo
Sonoros passos
encontrados perdidos desencontrados
de vozes próprias
que foram por si
um dia impróprias
marcaram os dias
entranhados deliciosos comemorados
entre horas marcadas
e instantes macabros
marcaram
com proibidas doses
de acasos futuros 

Sonoros passos
com firmeza e maciez
passados...
em lúcida embriaguez
voltam de repente.


Raquel Abrantes

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Público


Cuidado ao andar
com homens públicos
que tudo expõem à própria revelia
isso inclui você, um dia, por estar ali
despretensiosamente, desconhecido
somente acompanhando um amigo
e, de repente, a câmera escondida
captura um momento que era seu
agora também pode ser meu
ou de todos, depende para onde vá
pode ser visto por qualquer pessoa
homens públicos são vistos lá
e continuam rindo à toa...

Cuidado ao andar
com homens da lei
que privilegiam as regras
a moral das cavernas
a governar as famílias todas
a controlar as vontades todas
não que todas sejam boas
longe disso, mas em casa
manda quem mora
o problema é o lado de fora...

Homens públicos, homens da lei
privados reservados sociais
todos sem exceção                                
mudam de opinião, ferem a lei
mudam também a situação
conforme o momento
e a lei perde com o tempo
seu efeito de aplicação
umas coisas que se fez
deixam de ser insensatez
outras são guardadas e lacradas
para preservar a carreira
de regrar a vida alheia

Os meios justificam os resultados:
esse homem com dinheiro da lei
essa lei com dinheiro do homem                             
esse dinheiro sem lei do homem.


Raquel Abrantes