quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

observo tudo de fora
sem fazer parte

enquanto admiro quem me olha
piscar com brilho e e sorte, uma arte

levo a visão até o momento do toque
que por lá fica, quase mártir...

deixe-me explicar, não se revolte:
é que o fato não me acompanha
e, assim, sigo estranha
alheia a toda face...

como o correr do vento que morre
disperso na realidade...


Raquel Abrantes

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Andança


Eu ando pelo mundo sem prestar atenção
disfarço o olhar e esqueço a descrição
Vagueio absorta dos detalhes
me interessam apenas os pares
que há muito perderam sua função
num mundo de nomes
que ganham as ruas, os prédios, os altares
todos sós, sem confraternização.

A pressa não se deixa esquecer
superando qualquer visão
o poder...
De soslaio vejo o mundo que faz
andar para trás
à mercê da evolução.


Raquel Abrantes


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

.
                            Vem para mim
                            Esse ar fresco
   que sublima TANTO calor 
                            Também aquele do meu peito 
                          Amor...
            VENTANIA de amores esparsos...
      Até que a BRISA chama 
                             PARA o instante que ficou.

Raquel Abrantes

.

Foi no brilho púrpuro dos seus olhos que me deixei levar ao novo/velho caminho, onde nunca estivera apesar de muito lembrar a via transversal de um passado longínquo. A cada paralela eu hesitava, até que suas cores colocaram minha carta na rua...

Raquel Abrantes

Da janela de um ônibus...

... posso ficar triste pela despedida ou feliz pelo sentimento carregado,
... penso que estarei em casa mais cedo ou mais tarde, depende do trânsito,
... sinto a velocidade desmedida que me leva a rumos cotidianos,
... observo a vida na calçada, sem conhecer o lugar por onde passo.


Raquel Abrantes